terça-feira, 1 de abril de 2008

Pra não dizer que não falei de flores

Um dos meus maiores traumas aconteceu, há uns 8 anos, quando a minha mãe pegou e quebrou em vários pedaços o meu único vinil dos Beatles - chamado 'Beatles Oldies (But Goldies !)' - só porque eu estava o escutando demais. Anos depois, ela deu fim secretamente numa camisa do Calvin, do Bad Wolf e do SuperCrazy só porque não simpatizava com bonecos como estampas. Achava muito infantil. Minha mãe sempre quis me ver em camisa de botão e sempre comprou camisas que eu nunca usei. Poucos meses depois da história do vinil, ela leu várias das poesias, contos, escritos aleatórios, ironias, piadas, ataques sarcásticos que colocava no pretenso caderno de matemática. Óbvio que minha mãe era uma das principais citadas. Levei uma surra e ela nunca percebeu o quanto tinha invadido minha privacidade sem permissão. Parei de escrever em papel e em casa depois desse dia.

Adoro falar de ditadura nesses termos, mamãe.

(e essa não é a mentira de hoje)

3 comentários:

Sofia disse...

Porra!!

A camisa do Calvin que eu fiz!!! =(

Com tanto carinho e amor... E a do "super Crazy!!" que a gente brincava que só...

Que bosta...

Marco disse...

Aproveita e deveolve as minhas camisas que ela diz que é de gay.
Vê que afronta,
Gay, eu?

Rodrigo Almeida disse...

Ela deve ter lido esse post, porque tipo... agora ela só compra as roupas que eu acho mais fuderosas.

:)