sábado, 18 de outubro de 2008

Bigode Cultural

Depois de ser ridicularizado por usar, percebi que o bigode virou modinha entre os jovens pretensamente cools da cidade. Não sabia que meu blog estava tão tendência. RÁ. Pois é, agora não posso ir ali no Curupira que os mancebos psicodélicos estão todos sgt. peppers, não posso ir pra aula no cac que os cafuçus típicos estão todos no bigode (e também no bar), não posso ir no Santa Isabel que o cantor convidado da ceninha exibe seus pêlos recém aparados com um orgulho desmedido. Bigode tá sobrando, estilo tá faltando. Sem contar os amigos: Victor Zalma, Marco Bonachela e a cada segundo, um novo bigodão - para além da massa de policiais e motoristas de ônibus - aparece na cidade. É uma epidemia, o bigode cultural, salve-se quem puder. Pior de tudo nem é o bigode dos outros, mas o simples fato de eu ter de tirar a barba e deixar o bigode de novo semana que vem, porque tinha prometido a Gabriela ir de bigode e vestido de cafajeste pro aniversário dela. Cada coisa que você faz pelos amigos. Vamos, em teoria, gravar um clipe do Bezerra da Silva, mas vocês sabem o quão Gabriela é hegeliana: talvez nem role filmagem, nem nada, mesmo que no mundo das idéias tudo esteja plenamente certo. Na verdade, a história da festa e do clipe surgiu com o meu bigode de agosto. Acho que vou arrumar vários dublês no mundinho cultural do burburinho. Só que dessa vez ninguém que eu não conheça vai me ver, porque vou botar o bigode num dia e tirar no outro. Depois deixo minha barba crescer e pinto de amarelo. Quem sabe não vira o novo hit do verão.

Um comentário:

Lua disse...

ai ai ai.

rodrigo meu bem,
você é meu amigo, por isso vou ser sincera, ta?

o negócio é o seguinte:
sempre existiram bigodinhos culturais, dreadzinhos laterais, cachinhos-pega-rapaz, havaianas trocadas, roupinhas customizadas, all stars riscados, enfim, sempre existiram as barbas amarelas.
a questão é que narciso acha feio o que não é espelho e não percebe o que está à sua volta até que entre no circuito.

ou seja, depois que eu cortei o meu cabelo curtinho, pensei que todas as meninas tinham me imitado e quando eu deixei ele crescer todo mundo deixou tambem, quando eu lancei a tendência do shortinho no verão retrasado, todo mundo me seguiu, que dirá das galochas coloridas do inverno passado?

mas não fui eu, eu juro.

a gente apenas passa a ver, porque eles são nossos espelhos.

bjo, te amo.

by the way, a barbinha amarela te cairá muito bem, aproveira e faz umas trancinhas tb! :)