sexta-feira, 6 de julho de 2007

08

Um turbilhão de lembranças na procura de uma última imagem e, enquanto isso, eu trancado no quarto, minha irmã no hospital, meu irmão na funerária, minha mãe ao telefone. Nunca escutei minhas sobrinhas chorarem tão baixo.


3 comentários:

l. palmer disse...

;*

Marco disse...

Um turbilhão de imagens na procura de uma eterna presença. As lembranças inscrevem-se numa presença muito óbvia eu acredito... é, pode ser complicado... é, mas é muito fato. A presença na ausência nunca existe tão clara nos turbilhões, nas lembranças, nas imagens. Nos inscitam a seguir.
Um Abraço, meu amigo!

Gênero Cinematográfico disse...

Rodrigo...meu maior medo é perder a memória. Não aquela de bater a cabeça e se esquecer que é. Mas aquela de se esquecer de quem a gente gosta de verdade, do que a gente gosta de verdade. O que é mais importante nessa vida besta.
um beijo, dois beijos